sexta-feira, 4 de maio de 2012

Teresinha e seu amor à Santíssima Virgem


Porque te amo, ó Maria!
Maio de 1897

O poema, porque te amo, ó Maria é uma composição espontânea de Teresinha, embora fora pedida também por sua irmã Maria do Sagrado Coração.
Teresa disse a Celina ter algo a fazer antes de morrer: exprimir num canto à Santa Virgem tudo o que pensa dela. Nesse mês de maio ela começa a pressentir a provável difusão de seus escritos e a considerar seu pensamento sobre Maria uma tarefa de singular importância. Para falar de Maria, ela se volta para o Evangelho, sua única fonte de inspiração: “O Evangelho me ensina... e meu coração me revela”.
Teresinha assina essas linhas com mão trêmula e letra falha: humilde e emocionante ponto final de toda sua obra poética.



(fragmentos)

Oh! Quisera cantar, Maria, por que te amo
Porque é que o teu nome tão doce me faz vibrar o coração
E porque é que o pensamento da tua grandeza suprema
Não poderia inspirar à minha alma o sentimento do temor.
Se eu te contemplasse na tua sublime glória
E mais brilhante do que todos os bem-aventurados,
Não poderia acreditar que sou tua filha
Ò Maria, diante de ti, eu baixaria os olhos!…

Quando um anjo do Céu te oferece seres a Mãe
Do Deus que há-de reinar por toda a eternidade
Vejo-te preferir, Ó Maria, que mistério!
O inefável tesouro da virgindade.
Compreendo que a tua alma, ò Virgem Imaculada
Seja mais querida ao senhor do que a divina morada
Compreendo que a tua alma, Humilde e Manso Vale
Possa conter Jesus, o Oceano do Amor!…

Ó rainha dos mártires, até ao fim da vida
Esta espada dolorosa trespassará o teu coração
Tens já de deixar o solo da tua pátria
Para evitares de um rei o furor invejoso.
Jesus dormita em paz sob as pregas do teu véu
José vem pedir-te para partires depressa
E a tua obediência logo se revela
Partes sem demora e sem objeção.

Sei que em Nazaré, Mãe cheia de graça
Viveste pobremente, não querendo nada mais
Nem arroubamentos, nem milagres, nem êxtases
Embelezam a tua vida, Ó Rainha dos Eleitos!…
O número dos pequenos é bem grande na terra
Eles podem sem receio erguer os olhos para ti
É pela via comum, incomparável Mãe
Que te apraz caminhar guiando-os para o Céu.

Maria, apareces-me no cimo do Calvário
De pé junto da Cruz, como um padre no altar
Oferecendo para desagravar a justiça do Pai
O teu Bem-amado Jesus, o doce Emanuel!…
Um profeta o disse, ó Mãe sofredora,
“Não há dor semelhante à tua dor!”
Ó Rainha dos Mártires, permanecendo exilada
Dás por nós o sangue todo do teu coração!

Em breve eu ouvirei esta doce harmonia
Em breve no Céu formoso eu irei ver-Te
Tu que vieste sorrir-me na manhã da minha vida
Vem sorrir-me de novo… Mãe… chegou a tarde!…
Já não temo o esplendor da tua glória suprema
Contigo eu sofri e desejo agora
Cantar nos teus joelhos, Maria, por que te amo
E repetir para sempre que sou tua filha!…
Postar um comentário