sábado, 9 de julho de 2011

SANTA TERESA DOS ANDES


Joana Fernandez Solar nasceu em Santiago do Chile no dia 13 de julho de 1900. Desde a sua adolescência foi fascinada pelo Cristo. Entrou no mosteiro das carmelitas descalças de “Los Andes” no dia 07 de maio de 1919, com o nome de Teresa de Jesus. Morreu no dia 12 de abril do ano seguinte, depois de ter feito a profissão religiosa. Foi beatificada por João Paulo II, no dia 13 de abril de 1987, em Santiago do Chile e proposta como modelo para os jovens. Sua canonização se deu aos 21 de março de 1993. É a primeira flor de santidade da nação chilena e do Carmelo Teresiano da América Latina. Comemoramos seu dia litúrgico no dia 13 de julho.

SÓ JESUS É BELO

Trecho dos Escritos Espirituais de Santa Teresa dos Andes
Só Jesus é belo, só ele pode alegrar-me. Chamo-o; choro por ele, procuro-o dentro de minha alma. Desejo que Jesus me triture interiormente para que eu me torne uma hóstia pura onde ele possa repousar. Quero ser sedenta de amor para que outras almas possuam este amor.  Que eu morra às criaturas e a mim mesma para que ele viva em mim.
Há algo de bom, de belo, de verdadeiro que possamos pensar e que não exista Jesus? Sabedoria, para a qual não há segredo algum. Poder, para o qual nada é impossível. Justiça, que o fez encarnar-se para satisfazer pelo pecado. Providência, que sempre vela e sustenta. Misericórdia, que não cessa nunca de perdoar. Bondade, que esquece as ofensas das suas criaturas. Amor, que reúne todas as ternuras da mãe, do irmão, do esposo e que, fazendo-o sair do abismo da sua grandeza, o prende estreitamente às suas criaturas. Beleza, que extasia... O que podes pensar que não se encontre neste Homem-Deus?
Temes talvez que o abismo da grandeza de Deus e teu nada não se possam unir? Há nele o amor? Esta paixão fê-lo encarnar-se para que, vendo um Homem-Deus, não temesses aproximar-se dele. Esta paixão fê-lo converter-se em pão, a fim de poder assimilar e fazer desaparecer o nosso nada no seu Ser infinito. Esta paixão fê-lo dar a vida, morrendo sobre a cruz.

Temes talvez aproximar-te dele? Olha-o cercado das crianças. Ele as acaricia, aperta-as ao seu coração. Olha-o no meio do seu rebanho fiel, trazendo sobre os ombros a ovelha infiel. Olha-o junto ao túmulo Lázaro. E ouve o que diz à Madalena: “Foi-lhe perdoado muito, porque muito amou”. O que descobres nestes trechos do Evangelho senão um coração bom, doce, terno, compassivo, enfim, o Coração de um Deus?

Ele é a minha riqueza infinita, a minha beatitude, o meu céu.

Postar um comentário