quarta-feira, 10 de junho de 2009

Igreja inaugura 1º Carmelo de Monjas de Goiás

No domingo, dia 7, foi inaugurado em Trindade-GO, o primeiro Carmelo de Goiás. O local é destinado às irmãs carmelitas que tem como objetivo de vida viver na clausura e praticar a oração. Agora que estão na parte de convivência das irmãs, somente o bispo, padres em casos especiais e profissionais de funções específicas, quando solicitados para trabalhos funcionais ou de socorros, podem entrar no Carmelo. As irmãs carmelitas também só sairão de lá em casos de extrema urgência.
Para quem quiser visitar o local, o Carmelo é formado por um pátio externo com fonte de água; uma capela pública, com grades que separam as irmãs dos visitantes; uma hospedagem, para padres e familiares, que foi construída em local separado do espaço das irmãs; e três locutórios, divididos por grades para que a população e familiares possam conversar com as irmãs carmelitas. Até mesmo depois que morrerem, os corpos das irmãs não podem deixar o local: no próprio Carmelo existe um cemitério com 22 carneiras destinado às irmãs.
As primeiras irmãs moradoras do Carmelo vieram de outros 5 Carmelos já existentes no país. Elas são de 8 estados diferentes, que totalizam 4 regiões do Brasil. Ao todo são 9 irmãs. Entre elas, está a Irmã Terezinha Ribeiro de Oliveira, irmã do bispo emérito de Goiânia, Dom Antonio Ribeiro de Oliveira. A inauguração do Carmelo só foi possível porque antes de solicitar a saída da Arquidiocese de Goiânia, ao completar 75 anos, o então arcebispo começou todo o processo para a vinda das irmãs para Trindade-GO. No entanto, a obra só foi possível depois que o arcebispo de Goiânia, Dom Washington Cruz, solicitou aos Redentoristas, por meio do Provincial da Congregação, Pe. Fábio Bento, a construção do local destinado às irmãs.
A partir deste momento, a Congregação nomeou o Pe. Robson de Oliveira, reitor do Santuário Basílica, para viabilizar a obra. Foi então que Pe. Robson, juntamente com o ecônomo da Congregação, Pe. Eduardo Rezende, visitou o Carmelo de Passos – MG e começou um trabalho de definição da estrutura do local. Foram feitas 5 plantas iniciais da obra para somente depois definir como seria o Carmelo de Trindade. Padre Robson realizou em todo o Brasil uma grande campanha de doações para que o Carmelo pudesse sair do papel.
O Carmelo da Santíssima Trindade e Imaculada Conceição, que foi construído em três anos, tem uma área total de 15 mil m², sendo 2 mil deles de área construída. Ao todo são 69 cômodos divididos em 22 celas (quartos), 10 salas de trabalho, 1 ofício de gesso, 1 ofício de vela, 3 locutórios (espaço separado por grades para contato público), área de hospedagem, enfermaria, capela interna, capela pública, cozinha, refeitório, lavanderia, rouparia, salas de formação, sala de recreação e biblioteca.

História da Ordem

A Ordem dos Carmelitas Descalços (ou, simplesmente, Carmelitas Descalços) é um ramo da Ordem do Carmo, formado em 1593, que resulta de uma reforma feita ao carisma carmelita elaborada por Santa Teresa de Ávila e São João da Cruz. Este ramo divide-se em três diferentes tipos de família carmelita: os padres ou frades, as freiras de clausura e os leigos.
No século XVI, Santa Teresa de Ávila iniciou um processo de reforma ao carisma carmelita. Fez um voto de que haveria de seguir sempre o caminho da perfeição, e resolveu mantê-lo o mais próximo possível daquilo que a Regra do Carmo permitia. Numa noite do mês de Setembro de 1560, Teresa de Ávila decidiu reunir um grupo de freiras na sua cela e, tomando a inspiração primitiva da Ordem do Carmo e a reforma descalça de São Pedro de Alcântara, propôs-lhes a fundação de um mosteiro de tipo hermético. Em 1562 é, então, fundado um novo mosteiro (que foi especialmente dedicado a São José). Por seu lado, em Duruelo, São João da Cruz e António de Jesus fundaram também um novo e primeiro convento masculino destinado aos frades Carmelitas Descalços. Em 1593, o Papa Clemente VIII concedeu total autonomia ao ramo dos Carmelitas Descalços (separando o seu carisma do carisma do ramo dos Carmelitas da Antiga Observância, desde então também chamados de Carmelitas Calçados para que melhor se pudesse estabelecer a diferença).

Fonte: Assessoria de Imprensa do Santuário Basílica
Postar um comentário