terça-feira, 17 de setembro de 2013

"Nossa Regra é a Palavra de Deus"

SANTO ALBERTO DE JERUSALÉM: Legislador de Nossa Ordem

Alberto nasceu na diocese de Parma, Itália, no ano de 1149. Ingressou na Ordem da Santa Cruz, onde em breve tempo se tornou superior Geral. Foi nomeado bispo, inicialmente de Vercelli, e mais tarde, em 1205, Patriarca de Jerusalém. Em 1214, foi assassinado durante uma procissão.
Escreveu, com grandíssima sabedoria a "Regra Primitiva" do Carmelo. Como governou o patriarcado entre 1206 e 1214, e a Regra no seu texto não está datada, fazemos uma média aritmética, e a datamos como sendo sua redação em 1209.
Comparada a outras Regras vigentes no seu tempo, sobretudo a de São Basílio e a de São Bento, chama logo a atenção a sua brevidade, como Alberto conseguiu em tão poucas páginas traçar de modo tão perfeito e completo todo o ideal carmelitano.
Na regra está contida de forma embriônica, todos os elementos fundantes do sistema místico-doutrinal da santa madre Teresa de Jesus e do santo padre João da Cruz, e demais santos e grandes figuras do carmelo descalço que atualizaram na história a doutrina de Alberto, de Teresa de Jesus e de João da Cruz.
Santa madre Teresa ao iniciar a reforma do carmelo, buscou com grandíssimo afinco a "regra original" de santo Alberto, como ela chamava nos primeiros capítulos das Fundações de "regra não mitigada".
Algumas simples considerações sobre esta obra prima de Alberto, nossa Regra:
=> Os destinatários: "aos queridos filhos, B, e demais religiosos eremitas..." Dentro do contexto da reforma que o papa Francisco está realizando na Igreja, Alberto inicia a regra demonstrando a proximidade do pastor, ao chamar os eremitas de filhos e não acentuando o papel do superior da comunidade, a ponto de nem nomeá-lo, referindo-se a ele apenas com a letra "B", e recordando que são "religiosos".
=> Que a norma suprema seja "viver em obséquio de Jesus Cristo" . A partir daí situamos o radical cristocentrismo teresiano-sanjuanista. Para o carmelo descalço, em Jesus está tudo! Por Cristo, com Cristo e em Cristo.
=> A fraternidade, ao interno da comunidade, "um de vós por prior...eleito por unânime consentimento de todos" decisões concretas, como assinalar cela individual, o prior e a comunidade devem decidir juntos.
=> Acolher, este serviço essencial á evangelização, deve ser feito em primeiro lugar pelo prior, como a dar exemplo aos demais irmãos.
=> A Oração, elemento essencial ao carmelo, na regra de Alberto é fundamental: "meditar dia e noite na lei do Senhor e velar em oração". "Ser carmelita descalço, significa: Amar a Igreja, orar por ela e com ela anunciar a Boa Nova" ( João Paulo II)
=> Cada um deve sobreviver com o trabalho das próprias mãos. Carmelita não pode ser "vagabundo" rs !
=> O silêncio como culto, no carmelo o silêncio é :" solidão sonora, música calada, ceia que recreia e enamora" . Êxtase da presença de Deus!
=> Vida espiritual entendida na linha paulina como luta, revestido de armadura... luta esta, sobretudo contra nós mesmos, nossos egoísmos, apegos, paixões desordenadas, resistências à Vontade de Deus.
Toda a Regra está imbuída do ideal de Comunhão com Deus e fundamentada na Sagrada Escritura, é uma obra prima de síntese da Divina Revelação. Rompendo com o devocionismo medieval, pauta a espiritualidade na Palavra de Deus, praticamente cada linha. Daí entendemos melhor a super abundância de citações bíblicas das obras de Teresa e João da Cruz.
EM SÍNTESE, LEIA A REGRA DO CARMELO!

Santo Alberto, Rogai por todos nós!
Postar um comentário