sábado, 22 de dezembro de 2012

No Carmelo Descalço: meu caminho vocacional...


Meu Caminho Vocacional com o "pré-aspirante" Luan Rafael de Itapetininga/SP

“Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e vos será aberto; pois todo o que pede recebe; 
o que busca acha e ao que bate se lhe abrirá”(Mt VII,7)
    No dia quatorze de dezembro do ano de nosso Senhor de 2012, ano da Fé, recebi por graça e misericórdia de Deus, a noticia de que fui aceito para fazer parte da egrégia congregação de aspirantes à Ordem dos Irmãos Descalços da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo.  Isso quer dizer que eu sou, por enquanto, um “pré-aspirante”. Tudo ocorreu na semana de convivência, no convento Nossa Senhora do Carmo “aspirantado”, em Caratinga/MG. Devo ressaltar, que esse encontro foi muito especial, de fato, foi uma semana onde Deus volveu seu olhar para nós e nos concedeu por Graça a sua Misericórdia, derramando toda sorte de Bênçãos Espirituais e temporais, sobretudo, uma resposta ao nosso anseio Vocacional. Tive a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas, que possuem o mesmo objetivo, que estão ali pelo mesmo interesse.. Discernir a sua vocação e segui-lo onde quer que vá, e da mesma forma, levá-Lo onde nos mandar.
   Depois de algum tempo buscando O Senhor no “furacão”, “terremoto” e no “fogo”, O Senhor se manifestou a mim no Carmelo Descalço, como uma “leve brisa”, assim mesmo, de modo muito simples e sutil, O Senhor assim quisera e desse modo procedeu.

   Logo quando comecei a sentir o Chamado de Deus à uma Vocação especifica, fiquei atordoado, nunca tive vontade de ser Padre ou Religioso, que eu me lembre é claro, mas aquele Chamado era tremendo – e ainda é - de tal forma, que não havia – E não há – meio de ficar indiferente, sem respondê-lo de algum modo. A grande contribuição e inspiração para a minha Vocação, fora o desejo dado pelo Senhor de O Servir, foi e ainda é o Exemplo e Zelo de meu primeiro pároco o Rev. Pe. José Benedito Cardoso, a quem devo muito, pois sempre foi muito solícito, não somente no que diz respeito a Vocação, mas em tudo um verdadeiro Pai.  Então comecei a buscar a resposta a essa inquietação que havia em mim. Prossegui com essa busca, fazendo os convívios vocacionais no Seminário Diocesano João Paulo II, em Itapetininga/SP, por cinco anos, porque ainda não tinha idade e também não havia concluído o ensino médio, mas também porque queria uma resposta concreta daquilo que o Senhor me propusera. Fui admitido no Seminário e ingressei no dia 23 de março de 2010; permaneci na casa de formação por um ano e meio, deixando-o no dia 8 de setembro de 2011. O período de seminário foi muito importante, pois me ajudou a discernir que o meu chamado, minha Vocação, é Religiosa e não Padre secular. Ainda no propedêutico, tive contato com a Ordem Cisterciense “Abadia Nossa Senhora de Santa Cruz de Himeranto” em Itaporanga/SP, foi apenas um pequeno contato, porém me inquietou muito, não só naquele momento, mas em todo tempo em que estive no seminário; no segundo ano, já na Filosofia, dei continuidade ao acompanhamento com essa Ordem Religiosa Monástica. Depois de certo tempo, o desejo, a vontade , o Chamado à ser Religioso já estava mais claro em meu coração, então pedi dispensa do seminário, justamente para fazer uma experiência mais concreta de Vida Religiosa, nesse caso Monástica. Dada a dispensa, fui para o Mosteiro e ali permaneci algum tempo, contudo, não estava completo, ainda me faltava alguma coisa, e pensava no meu intimo - “Meu Deus, dá-me uma resposta, não me deixe nessa situação, eu quero te servir, contudo, me parece não ser aqui o lugar destinado meu serviço”- E essa inquietação permaneceu de tal forma, que se tornou, de algum modo, visível ao mestre de noviços. Conversamos muito sobre isso e, quando digo muito, quero dizer que constantemente nos víamos falando de nossas inquietações, “nossas” porque ele deixava muito claro, que dúvidas e incertezas sobrevem a todos, sem exceção. Foi então, que em uma de nossas conversas, me apresentou um pouco das outras Ordens e Congregações, mas enfatizou as Ordens mendicantes, principalmente a Ordem dos Irmãos Descalços da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, até pouco tempo eu não entendia isso, hoje, porém, posso dizer com certeza, que O Senhor usou de seu servo para me trazer até aqui. Depois dessa Santa conversa, meu coração se abrasava, e tudo me levava ao Carmelo Descalço, em quase todas as nossas conversas, Santa Madre Teresa e Santo Padre João da Cruz estavam presente. Até que depois de muita direção, tomei a decisão de ainda continuar a minha busca e de forma mais concreta, segui-lO e leva-Lo.
   Uma semana depois de ter deixado a Abadia Nossa Senhora de Santa Cruz, já em casa, não me adaptava bem, estava como, numa linguagem bem popular, “um peixe fora da agua”, não encontrava o meu lugar nem mesmo na Comunidade Paroquial, então lembrei de tudo aquilo que Deus me falou através da direção e aconselhamento do Rev. Pe. João Crisóstomo O. Cist, a quem devo muito, principalmente pela sua atenção a minha Vocação. Logo na segunda semana em que havia retornado para casa, teve uma Ordenação Presbiteral em nossa catedral, por muitas vezes e de muitos modos havia pedido um sinal de Deus, eu já estava bem desanimado, pois parecia que não obtinha resposta. Desde o inicio da liturgia, observei dois Religiosos a minha frente, assim que se concluiu a Santa Missa de Ordenação, fui ao encontro dos dois, e começamos a conversar.. Eram dois Carmelitas descalços. Um deles, o Fr. Manuel, daqui de Itapetininga mesmo, deu-me um marcador de Bíblia, o qual ainda possuo, com a seguinte frase: “ Deus se dá totalmente, a quem se entrega sem reservas e Ele!”(S. João da Cruz), e nele havia o contato por e-mail com o Fr. Jorge, pronto, esse foi um sinal muito evidente para mim, tudo veio de encontro, de uma só vez.
   No dia seguinte eu entrei em contato com o Fr. Jorge e este, por sua vez, me passou o contato com o Fr. Ronan, para que eu fosse acompanhado por ele aqui em no estado de São Paulo. Nesse período, O Senhor foi me respondendo e apontando a direção a seguir, através dos aconselhamentos e direção desse vosso Servo, a quem muito devo gratidão. Em cada Vivencia Vocacional, fazíamos a experiência de subir ao monte Carmelo, nos aprofundarmos na Oração silenciosa mental e na Vida fraterna e, sobretudo, conhecer mais sobre nossa Ordem, nossa Santa Madre Teresa, nosso Santo Padre João da Cruz e outros Santos Carmelitas Descalços, dessa forma, foi nos apontando o Caminho e confirmando a Vocação de muitos, inclusive a minha.
   Em um ano de acompanhamento, tivemos três Vivencias, no ultimo, Fr. Ronan me convidou para estar em Caratinga, no Convento Nossa Senhora do Carmo, para a Semana de Convivência Vocacional. Foi uma semana com muitas atividades, a maioria delas voltada para o discernimento Vocacional, tivemos.. Retiro, Oração mental, Ofício das Horas, Santa Missa, Colóquios sobre a Ordem e a Vida Religiosa, Conversas pessoais, trabalhos na cozinha, horta e no pomar, recreio, Vida Fraterna. Como já disse, foi uma semana onde Deus volveu seu olhar para nós e nos concedeu por Graça a sua infinita Misericórdia, derramando todo tipo de bênçãos, sobretudo, uma resposta ao nosso anseio Vocacional. Conheci pessoas maravilhosas, que possuem o mesmo interesse... Discernir a sua vocação e segui-lO onde quer que vá, e da mesma forma, leva-lO onde nos mandar.
DEO GRATIAS!!!
  
Luan Rafael Meira Moreira


Postar um comentário