quarta-feira, 16 de novembro de 2011

CENTENÁRIO DOS FRADES - Depoimentos dos vocacionados

Estavam presentes dois vocacionados na comemoração do Centenário da chega dos Frades no Sul e Sudeste do Brasil: Victor Emmanuel, de Teresina – PI, representando o Nordeste, e Vinícius Píres Caires, de Praia Grande – SP, representando o Sudeste. Pedimos a eles que dessem seus depoimentos sobre a Missa do Centenário:

"Sempre que falo sobre o Carmelo Descalço, imagino em meu coração uma luz que se acendeu no coração de Santa Teresa e de São João da Cruz, e que há cem anos veio iluminar a terra de Santa Cruz. Poder participar desta festa, em ação de graças, junto com a Mãe Aparecida, para mim é e sempre será uma alegria, que, como o servo que multiplicou talentos, posso partilhar com meus irmãos do Carmelo, como humilde trabalhador da vinha do Senhor, vinha que é nossa alegria, nossa beatitude!"

Vinícius Caires, 15 anos, de Praia Grande- SP


"Era um sábado, depois de Vésperas, instante em que o costume é rezar nos Carmelos a Salve Regina, um redentorista tentava explicar aos romeiros o motivo da ação de graças.
Santuário cheio, cheio de religiosas e fiéis também em júbilo: religiosas mensageiras e servas, fiéis benfeitores, amantes e vocacionados. Havia religiosos em romaria, o monte e foram à casa da Mãe. Os sinos badalavam, as pessoas cantavam... passavam em cortejo os irmãos descalços da Virgem Maria "Aparecida", sacerdotes e diáconos, frades estudantes e noviços.
Santa Missa presidida por um bispo amigo do Monte, nos Provérbios, um jovem identificava com emoção a figura da reformadora. Quase ao término, mais um cortejo: os noviços e estudantes do grupo dos frades do altar, levavam com solenidade a Virgem Maria, do Monte Carmelo, de Imaculada Conceição, Aparecida, sua Irmã Santíssima."

Victor Emmanuel Araújo de Oliveira Cunha,  18 anos, de Teresina - PI


sábado, 5 de novembro de 2011

VISÃO DE CÉU DE DOM LUCIANO MENDES


Para a comemoração do dia de todos os Santos, a equipe do Blog da Pastoral Vocacional preparou uma matéria sobre a visão do Céu de Dom Luciano Mendes. Transcrevemos o seguinte texto a partir de uma conferência dada por D. Luciano Mendes ao Terceiro Setor do Ministério Público de Minas Gerais, disponível no youtube.

"Qual sua visão de céu? Céu é um lugar onde vai ter tudo, é isso? Céu é um lugar onde você projeta todos os seus egoísmos? Eu estava um dia perguntando a Deus como era o céu... Queria ver o céu... Um dia sonhei com o Céu. Achei bonito o Céu. Tinha um pessoal calmo lá, ouvindo àquelas poesias bonitas sertanejas, tudo lá cantando, tranqüilo, num bem estar, numa paz, numa harmonia. Eu disse: que coisa mais bonita o Céu. Quando eu percebi, eu estava atrás de uma árvore. Eu estava tão contente. Aí eu percebi que o Céu é você vê os outros felizes, é você se alegrar com a felicidade dos outros. Vocês já viram festa de formatura?... Houve tempo em que o pai e a mãe vinham para a formatura... o menino ou menina estava lá distraído com os colegas. Pareciam que o pai e mãe iam se formar, estavam tão felizes lá... Isso é o amor; essa é a nova civilização. 

Enquanto nós não tivermos a alegria de dar, de servir, de promover o outro, eu diria, de ajudar, nós não vamos entender a história; ela vai ser história de guerra, de conquistas, de mercado, de altas e baixas da bolsa. Vai ficar por aí. Mas se nós entendermos que a pessoa humana é feita para ser boa, para fazer o bem, para se alegrar com o bem dos outros, aí nós vamos entender que não é preciso ser rico para ser feliz. Basta amar. E amar o outro na sua maior necessidade, porque é aquele que mais precisa de você. De modo que a cidadania vai acontecer quando as pessoas exercitarem a alegria de amar e tiverem dentro de si como regra de vida: amar mais..."


Dom Luciano Mendes nasceu em 5 de outubro de 1930, no Rio de Janeiro; ordenado padre em 1958; ordenado bispo em 1976; morreu no dia 27 de agosto de 2006, em decorrência de falência múltipla dos órgãos, em São Paulo. É reconhecido por ter sido muito inteligente e atuante no cuidado dos mais necessitados. Na Arquidiocese de Mariana, onde foi bispo, é aclamado de santo pelos fiéis. O seu túmulo é constantemente visitado. Após cinco anos de sua morte, a Arquidiocese de Mariana inicia o processo de beatificação. O pedido à Santa Sé foi assinado por mais de 300 bispos.