domingo, 23 de agosto de 2009

Frei Raul termina sua corrida...



Frei Raul em um dos nossos recreios no Centro Teresiano de Espiritualidade em São Roque

Faleceu na manhã deste domingo, dia do Senhor, dia 23 de agosto, um dia antes do aniversário da reforma Teresiana, nosso Fr. Raul de Lima Sertã, que estava internado em hospital em S. José dos Campos. Frei Raul nasceu em Carmo, na região serrana do Rio de Janeiro, a 4 de dezembro de 1917. No final da década de 30 entrou para a Ordem no convento do Rio, fez o noviciado em 33, assumindo o nome de Fr. Telésforo do Menino Jesus, e prosseguiu seus estudos de filosofia e teologia em Ceprano, na Itália, onde ordenou-se sacerdote em 1941.
De volta para o Brasil assumiu os seguintes cargos: Vigário Provincial, Pároco de São Roque (SP), Professor no seminário do Marmeleiro em S. Roque, Superior no Rio de Janeiro. Trabalhou por muitos anos no interior do Brasil nas missões populares, de moto primeiro, depois em sua famosa belina, depois de frequentar escola missionária dos Redentoristas. Escreveu muitos pequenos livros de devoção carmelitana e na década de 80 interessou-se pela pastoral da saúde, coletando receitas e escrevendo livros sobre saúde e plantas medicinais, o que o fez conhecido. Esteve como conventual em quase todos os conventos da Província. Possuía um temperamento alegre, de modo a parecer sempre um menino travesso, procurando ser para suas comunidades uma presença bem-humorada e feliz. Deixa saudades para os que puderam partilhar com ele a vida no Carmelo, e vai para junto de Deus para unir-se a nossos Santos Padres e seus filhos na intercessão por nós. Frei Raul era o frade mais antigo da Província e ajudou muito em fornecer-nos importantes memórias da nossa história. Vai em paz, fr. Raul. Que Deus o recompense pela sua fidelidade e dedicação. Ore por nós!

sábado, 22 de agosto de 2009


FALANDO DE ESPIRITUALIDADE...

Temos novidades no link FALANDO DE ESPIRITUALIDADE.
Confira!

22 de agosto - Nossa Senhora Rainha


No ano de 79 ocorreu a famosa erupção do Vulcão Vesúvio, que sepultou a cidade pagã de Pompéia (Sul da Itália). Ali a aristocracia romana gostava de passar o tempo com entretenimentos e foi surpreendida pela súbita destruição.

No início do Século IX instalaram-se nas proximidades famílias de campesinos que erigiram uma humilde capela. Em 1872 chegou o advogado Bartolo Longo (beatificado em 26 de outubro de 1980), que trabalhava para a Condessa de Fusco, dona dessas terras. Logo descobriu que, depois da morte do sacerdote, já não haviam missas na capela e poucos seguiam firmes na fé.

Uma noite, o advogado Bartolo Longo viu em sonhos a um amigo morto anos atrás, que lhe disse: “Salva a esta gente Bartolo! Propaga o Rosário. Estimula-os para que o rezem. Maria prometeu a salvação para aqueles que fizerem”. Assim, Longo trouxe de Nápoles muitos Rosários para distribuir e encorajou também a vários vizinhos que o ajudassem a reformar a capela. A população começou a rezar o Rosário, cada vez em maior número.

Em 1878, Longo obteve de um convento de Nápoles um quadro de Nossa Senhora entregando o Santo Rosário a São Domingos e Santa Rosa de Lima. Estava deteriorado mas um pintor o restaurou. Este mudou a figura de Santa Rosa pela de Santa Catarina de Siena. Posta sobre o altar do Templo, ainda que inacabada, a Virgem Santíssima começou a operar milagres.

Em 08 de maio de 1887, o cardeal Mônaco de Valleta, colocou na venerada imagem um diadema de brilhantes benta pelo Papa Leão XII e em 08 de maio de 1891, deu-se a solene consagração do novo Santuário de Pompéia, que existe atualmente.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Fr. Adilson celebra seus 25 anos de ordenação


Hoje foi um dia de festa na Basílica de Santa Teresinha, no Rio. A celebração das bodas de ouro de fr. Adilson começou bem cedo, com a oração da manhã, em que agradecemos pelo seu sacerdócio. Ele quis também concelebrar a primeira Missa na Paróquia neste dia e recebeu dos presentes o carinho e os abraços pela ocorrência.

O almoço foi festivo, e foi o momento em que a comunidade dos frades pôde celebrar com ele. Presentes, além dos seus irmãos de comunidade, fr. Alzinir Debastiani, nosso Provincial, e fr. Rafael, da comunidade de S. Paulo. Durante todo o dia fr. Adilson pôde provar, através das pessoas que o encontravam e dos telefonemas que recebeu, como o povo se alegra com ele pelo imenso dom do sacerdócio.

À noite foi a vez da comunidade paroquial manifestar-se. Numa Missa lotada, às 18:30h, fr. Adilson presidiu a celebração, e ouviu a homilia de fr. Alzinir que falou do sacerdócio como dom de Deus para a Igreja; relembrou sua trajetória na Província, nos diversos conventos pelos quais passou e nas diversas missões que lhe foram confiadas; falou do seu jeito ativo e disse que suas limitações não impediram que ele exercesse seu ministério, principalmente, com o testemunho de vida. No fim da Santa Missa, sob uma chuva de confetes prateados, como gotas de bênçãos que descem do céu, fr. Adilson recebeu uma aliança das mãos de sua irmã, símbolo de sua união com o Cristo, o Esposo de sua alma sacerdotal. Depois de ter-nos abençoado, a comunidade ofereceu, no salão paroquial, uma recepção que contou com uma exibição de fotos de sua vida no carmelo e a alegria da confraternização.
Parabéns Fr. Adilson e que o Senhor continue abençoando seu ministério.

09 de Agosto - Santa Teresa Benedita da Cruz



EDITH STEIN
(SANTA TERESA BENEDITA DA CRUZ, OCD)

Edith Stein nasceu em Breslau, na Alemanha, em 12 de outubro de 1891 e morreu em Auschwitz, na câmara de gás, vítima do nazismo, em 09 de agosto de 1942.
Filha de judeus, última de onze irmãos, perdeu o pai aos dois anos de idade. A mãe, que ela sempre relembra como a “mulher forte da Escritura”, prosseguiu com os negócios do pai - pois era um comerciante judeu - e a orientação da família.
Aos seis anos, ingressou na Escola Primária, demonstrando, desde cedo, grandes dotes intelectuais. Em 1911 entrou na Universidade de Breslau cursando Germanística (língua e literatura germânica) e Filosofia. Atraída pelo já famoso iniciador da fenomenologia, Edmund Husserl, transferiu-se em 1913 para Gottingen onde, não só foi sua aluna, como também assistente, mudando-se depois para Friburgo.
Sua tese doutoral – foi a primeira mulher a obter tal título em filosofia na Alemanha - sobre a Empatia, orientada pelo grande filósofo, foi avaliada com a nota máxima e, em breve, ela se tornou membro ativo da Escola Fenomenológica e do conhecido Círculo de Gottingen.
Desde a adolescência, a jovem filósofa havia abandonado a fé judaica em que fora formada na infância e, mesmo em sua busca constante da verdade, considerava-se atéia. A influência do ambiente da fenomenologia, e especialmente de Max Scheler, lhe abriu um novo horizonte diante dos problemas religiosos do homem e os casais Reinach e Conrad Martius fizeram com que ela se aproximasse de Cristo.
A verdadeira conversão, no entanto, veio através de uma outra doutora, que viveu quatrocentos anos antes dela. No verão de 1921, na casa de campo do casal Conrad Martius, lendo o Livro da Vida de Santa Teresa D´Ávila, acreditou ter encontrado a tão procurada Verdade e se converteu ao catolicismo. Foi batizada em janeiro de 1922.
A partir de 1923, trabalhou como professora no Instituto Santa Maria Madalena, das Dominicanas, em Speyer.
O canônico Schwind, o jesuíta Przywara e o abade Beneditino Walzer orientaram seu estudo de São Tomás, sua vida espiritual e litúrgica. Desde o batismo, seu grande sonho foi o de fazer-se carmelita como Santa Teresa. Os mestres, no entanto, viam nela um elemento importantíssimo para os meios intelectuais católicos e insistiam no valor de seu apostolado como filósofa católica. Dedicou-se a escrever filosofia e a traduzir para o alemão a obra “De Veritate” de São Tomás de Aquino.
Em 1931 começou sua missão como Conferencista em diversos países. Em 1932, chegou a Münster como livre docente no Instituto Superior de Pedagogia Científica.
Em 1933, um decreto oficial do governo alemão lhe proibia toda atividade pública, pela única razão de ser judia.
No dia 15 de outubro desse mesmo ano, entrou no Carmelo de Colônia. Recebeu o hábito religioso em 14 de abril de 1934, fez os primeiros votos em 21 de abril de 1935 e a profissão perpétua em 1938.
Obedecendo aos Superiores, continuou no Carmelo a escrever suas obras filosóficas. No final de 1938 foi transferida para o Carmelo de Echt na Holanda, fugindo do Nazismo, que perseguia também os conventos da Alemanha.
Em Echt, começou a escrever sua última obra, Ciência da Cruz, homenagem a São João da Cruz em seu quarto centenário de morte. Mas, foi presa pela Gestapo alemã no dia 02 de agosto de 1942 e levada para Auschwitz onde, com sua irmã Rosa, deu a vida em holocausto pelo seu povo e por amor ao Senhor. Tinha 51 anos e o último escrito, um bilhete que enviou à sua Comunidade, revela que a Ciência da Cruz era agora sua máxima sabedoria:
“Eu estou contente com tudo. Só se pode adquirir uma Ciência da Cruz, quando se sente no íntimo o peso da cruz sobre os ombros. Disso eu estava convencida desde o primeiro instante e, de mim para mim, disse: Salve Cruz, esperança única...”


Frei Allyson, ocd

terça-feira, 4 de agosto de 2009

NOVIDADES....

Nestes próximos dias estaremos disponibilizando mais uma ferramenta para ajudar em nosso crescimento espiritual, no conhecimento da espiritualidade carmelitana. Teremos um blog específico para publicação de artigos e comentários sobre temas relacionados a Igreja, Vida Religiosa, sobre o Carmelo Descalço entre outros assuntos.

Aguarde o endereço para o acesso.

sábado, 1 de agosto de 2009

Celebrar, rezar o mês vocacional


Agosto é o mes vocacional. Vale a pena recordar o que celebramos no mês de agsoto: no primeiro domingo destacamos o dia do Padre, a motivaçao é a festa de São João Maria Vianney. no segundo domingo celebramos o dia dos Pais, recordamos, entao o chamado a gerar a vida, a continuar com a obra criadora de Deus. Ser Pai e ser Mãe, constituri familia, assumir um etsado de vida na Igreja. Motivados pela festa da Assunção de Maria, modeo de todos aqueles que dizem SIM, celebramos no terceiro domingo a vocação religiosa, masculina e femenina. e no quarto domingo recordamos todos os minsiterios leigos e no quinto domingo a vocação dos catequistas.
Por isso convidamos a todos para que rezem pelas vocações. Para que Hajam mais sacerdotes, mais religiosos, mais leigos comprometidos com nossa Igreja Povo de Deus.

Celebrar, rezar o mês vociional

Agosto é o mes vocacional. Vale a pena recordar o que celebramos no mês de agsoto: no primeiro domingo destacamos o dia do Padre, a motivaçao é a festa de São João Maria Vianney. no segundo domingo celebramos o dia dos Pais, recordamos, entao o chamado a gerar a vida, a continuar com a obra criadora de Deus. Ser Pai e ser Mãe, constituri familia, assumir um etsado de vida na Igreja. Motivados pela festa da Assunção de Maria, modeo de todos aqueles que dizem SIM, celebramos no terceiro domingo a vocação religiosa, masculina e femenina. e no quarto domingo recordamos todos os minsiterios leigos e no quinto domingo a vocação dos catequistas.
Por isso convidamos a todos para que rezem pelas vocações. Para que Hajam mais sacerdotes, mais religiosos, mais leigos comprometidos com nossa Igreja Povo de Deus.

Senhor da Messe e Pastor do rebanho,
faze ressoar em nossos ouvidos teu forte
e suave convite: "Vem e Segue-me"!
Derrama sobre nós o teu Espírito, que Ele
nos dê sabedoria para ver o caminho e
generosidade para seguir tua voz.
Senhor, que a Messe não se perca por falta
de operários. Desperta nossas comunidades
para a Missão. Ensina nossa vida a ser
serviço. Fortalece os que desejam dedicar-se
ao Reino na diversidade dos
ministérios e carismas.
Senhor, que o Rebanho não pereça por falta de
Pastores. Sustenta a fidelidade de nossos bispos,
padres, diáconos, religiosos, religiosas e
ministros leigos e leigas. Dá perseverança a
todos os vocacionados. Desperta o coração
de nossos jovens para o ministério pastoral em tua Igreja.
Senhor da Messe e Pastor do Rebanho,
chama-nos para o serviço de teu povo.
Maria, Mãe da Igreja, modelo dos servidores
do Evangelho, ajuda-nos a responder SIM. Amém