domingo, 9 de novembro de 2008


Elisabete da Trindade é uma jovem carmelita descalça, cheia de vida e de entusiasmo. Ao longo dos seus 26 anos de vida, soube vivenciar o mistério da Trindade que habita no coração humano.
Elisabete nasceu em um acampamento militar, no campo de Avor, perto de Bourges, França, pois seu pai era capitão do exército francês. Desde muito cedo Elisabete mostrou ser uma criança turbulenta, muito viva, faladora, precoce e de temperamento colérico. Sua mãe conta: “ Quando tinha apenas 1 ano, já se manifestava sua natureza ardente e colérica”. Sua irmã chega mesmo a dizer que era tão violenta que os familiares a ameaçavam enviar para uma casa de correção. No entanto, sua mãe, atenta, soube modelar a fúria de Elisabete e fazer sobressair nela a ternura. E de tal maneira a ternura ganhou terreno que o maior castigo de Elisabete acontecia quando sua mãe, à noite, se despedia dela sem lhe dar um beijo. Então, Elisabete compreendia que não tinha se portado bem, e, meditando fazia exame de consciência e corrigia-se. Ainda Elisabete era uma criança quando a família se mudou para a cidade de Dijon. Aqui Elisabete, com apenas 7 anos e 2 meses, perdeu o pai tão querido que a morte lhe roubou.
O dia da primeira comunhão, a 19 de abril de 1891, foi “o grande dia” da vida de Elisabete, tinha então 10 anos, pois nascera no dia 18 de julho de 1880. Chora de alegria. Ao sair da igreja, ao descer as escadas diz à sua amiguinha Marie-Louise Hallo: “ Não tenho fome, Jesus saciou-me” ...
Estudou piano desde os 8 anos de idade no Conservatório vindo a tornar-se uma “excelente pianista” segundo a expressão do seu professor de música. Participou em concertos organizados, e, os jornais falaram do seu grande talento ainda mal a menina chegava aos pedais do piano. Entre as músicas e os festivais, entre os bailes, as férias e as diversões foram decorrendo os anos de Elisabete.
Estava perto dos catorze anos de idade quando se sentiu irresistivelmente atraída por Jesus. Escreve futuramente: “ Ia fazer catorze anos, quando um dia, durante uma ação de graças, me senti irresistivelmente inspirada a escolher Jesus como único esposo e imediatamente a Ele me liguei por um voto de virgindade. Não nos dissemos nada, mas entregamo-nos um ao outro de tal maneira que a resolução de lhe pertencer totalmente tornou-se em mim ainda mais definitiva”. Aos 18 anos sua mãe pretendeu casá-la com esplêndido noivo, mais Elisabete responde: “ o meu coração já não está livre, dei-o ao Rei do reis, já dele não posso dispor”. O desgosto da mãe foi grande. Mas foi mais amargo quando soube que Elisabete queria entrar para o Carmelo, onde tantas vezes tinham entrado e que ficava ali apenas 200 metros de sua casa. Entre lágrimas a mãe apenas consentiria na entrada do filha no Carmelo quando essa alcançasse a maioridade, aos 21 anos de idade. A rapariga vai regularmente visitar a prioresa Maria de Jesus. Ali encontra também o padre Vallée, superior dos dominicanos de Dijon, que a encoraja muito: “Elisabete espera com todo o seu coração os seus 21 anos: então poderá subir essa montanha solitária que parece um cantinho do céu”. Certo dia Elisabete declara: “ Se soubésseis tudo o que sofro ao ver minha querida mãe desolada ao aproximarem-se os meus vinte e um anos.... Ela sofre várias influências: um dia diz-me uma coisa, no dia seguinte é o contrário.... Como é doloroso fazer sofrer aqueles que amamos, mas é por Ele! Se Ele não me ajudasse, em certos momentos pergunto o que seria de mim, mas Ele está comigo, e com Ele tudo posso”. E escreve ainda:
Oh !
Depressa responderei ao teu
chamamento, dentro em pouco
serei toda sua, dentro em breve
direi adeus a tudo o que amo.
Ah !, o sacrifício já esta feito,
o meu coração está desligado de
tudo, nada lhe custa fazer por
Ti.
Mas há um sacrifício doloroso
ao meu coração,
um sacrifício para o qual Te
peço para me ajudares:
é a minha mãe, a minha irmã.
Estou feliz por ter um
verdadeiro sacrifício para Te
oferecer.
Porque Tu, cumulaste-me de
presentes e eu, que tenho para
te trazer ?
Tão pouca coisa e esse pouco,
é ainda um dos teus dons.
Ah ! Pelo menos ofereço-te um
coração que a nada mais
aspira senão a partilhar os Teus
sofrimentos, um coração que só
vive para Ti, que só te quer a Ti
que há tantos anos só aspira a
ser Teu...
No dia 2 de agosto de 1901, Elisabete entra definitivamente nessa bela montanha do Carmo que pela sua solidão e beleza atrai irresistivelmente. A partir de então o seu nome será Irmã Elisabete da Santíssima Trindade. “ Gosto tanto do mistério da Santíssima Trindade ! É um abismo no qual me perco. Deus em mim, eu n´Ele. É o grande sonho da minha vida. Para uma carmelita viver é estar em comunhão com Deus desde a manhã até à noite, e desde a noite até de manhã. Se Deus não enchesse as nossas celas e os nossos claustros, oh!, como tudo seria vazio ! Mas é Ele que enche toda a nossa vida fazendo dela um céu antecipado”.
A irmã Elisabete tomou o hábito a 8 de Dezembro de 1901. Iniciada a vida de noviciado a paz e a felicidade mudou-se em noite escura. No decurso do ano de 1902, o sofrimento interior visita Elisabete. Está numa grande neblina. Há dias de confusão e, em certas horas a angústia e a tempestade. Mas ela ama o Crucificado ressuscitado e entrega-se a Ele cegamente. Foi o momento da purificação interior. Os seus escritos relatam a felicidade de acreditar no seu amor e de O seguir. A sua noite ilumina-se com as claridades da fé e da confiança, como ela explica nesse mesmo ano à senhora de Sourdon: “O abandono, eis o que nos entrega a Deus. Sou muito nova, mas parece-me que algumas vezes sofri bastante. Oh ! Então quando tudo se obscurecia, quando o presente era tão doloroso e o futuro me aparecia ainda mais sombrio, fechava os olhos e abandonava-me como uma criança nos braços desse Pai que está nos céus...” Com a profissão religiosa, que fez a 11 de janeiro de 1903, recobrou a paz e a serenidade interior. Depressa a Irmã Elisabete descobriu a sua vocação. Lendo São Paulo descobriu que ela devia ser o “louvor da glória de Deus”. Esta idéia e esta vocação serão o rumo e o norte de Elisabete da Santíssima Trindade: “louvor e glória” é uma alma que mora em Deus e o ama com amor puro, amante do silêncio qual lira mantida sobre o toque misterioso do Espírito Santo, fazendo sair de si harmonias divinas”.
“Louvor e glória” é uma alma que contempla a Deus em fé simples e permanece como um eco perene do eterno cântico celeste. O segredo da felicidade é não se preocupar consigo mesmo, é negar-se em todo o momento”.
Seguindo o caminho que é Cristo a Irmã Elisabete entrou no mistério de Deus através de Maria a quem gosta de chamar a Porta do céu. Seguindo a nossos pais e mestres Teresa de Jesus e, sobretudo João da Cruz, de quem constantemente fala nos seus escritos, Elisabete mergulha no mistério das Três Pessoas Divinas, nesse Oceano sem fundo que é a Santíssima Trindade e que ela sente envolve-la por dentro e por fora. Tal como São João da Cruz se sentiu fascinado pela formosura de Deus, também Elisabete da Trindade se sente atraída pela beleza de Deus. Elisabete gostava de ver o sol penetrar nos claustros e recordar aquela comparação de Santa Teresa: “ Santa Teresa diz que a alma é como um cristal no qual se reflete a Divindade. Gosto tanto desta comparação e, quando vejo o sol invadir os nossos claustros com os seus raios, penso que Deus invade a alma que O procura !” A nossa irmã deixou-nos escrito acerca do tempo depois da sua profissão: “ cada dia da minha vida de esposa me parece mais belo, mais luminosos, mais envolto em paz e amor”.
Mas foi a vivência total daquela frase de São João da Cruz: “ a alma perfeita e unida a Deus em tudo encontra alegria e motivo de deleite até naquilo que entristece os outros, e sobretudo alegra-se na cruz” que levou a Irmã Elisabete a perder-se em Deus como uma gota de água no Oceano, segundo a sua própria expressão. Foi perfeito louvor da glória de Deus, por isso, apenas com 26 anos se encontrava preparada para voar para a paz: “ tudo é calma, tudo fica tranqüilo e é tão bom, a paz do Senhor”.
Nos fins de março de 1906, a Irmã foi colocada na enfermaria. Sentia-se feliz por morrer carmelita. As Irmãs rezavam pela sua cura e Elisabete juntou o seu pedido às orações da comunidade, mas sentiu que Jesus lhe dizia que os ofícios da terra já não eram para ela.
No final de outubro de 1906 Elisabete escreve:

No declinar da vida só resta o amor

À luz da eternidade, a alma vê as coisas na sua verdadeira imagem;
Oh, como tudo é inútil, o que não foi feito por Deus e com Deus !
Peço-vos, oh, marcai tudo com o selo do amor !
Só isso resta.
Porque a vida é uma coisa muito séria: cada minuto nos é dado
para nos “enraizarmos” mais em Deus, segundo a expressão de
São Paulo, para que a semelhança com o nosso divino Modelo seja
mais viva, a união mais íntima.
Mas para realizar esse plano que é do próprio Deus,
eis o segredo: esquecermo-nos de nós, abandonarmo-nos, não
nos importarmos conosco, olhar o Mestre, olhar apenas para Ele,
receber igualmente como vindos diretamente do seu amor,
a alegria ou a dor; Isso estabelece a alma numas regiões tão serenas !...
Deixo-vos a minha fé na presença de Deus, do Deus todo amor
que habita nas almas.
Confio-vo-lo: é essa intimidade com Ele “cá dentro”,
que foi o belo sol irradiante da minha vida, sendo como que um
Céu antecipado; é o que me ajuda hoje no sofrimento.
Não tenho medo da minha fraqueza, é ela que me dá confiança,
porque o Forte está em mim e a sua virtude é poderosa;
ela opera, diz o Apóstolo, além do que podemos esperar !

No dia 1 de novembro comungou pela última vez e dois dias antes da sua morte disse ao seu médico: “é provável que dentro de dois dias esteja no seio da Santíssima Trindade. É a Virgem Maria, aquele ser tão luminoso, tão puro, com a pureza do mesmo Deus, quem me levará pela mão e me introduzirá no céu tão deslumbrante”.
Alguns dias antes de sua morte, Elisabete disse às sua Irmãs esta frase tão bela e que ficou célebre: “ Tudo passa ! No declinar da vida só o amor nos resta...” Frase que se parece com aquela outra de São João da Cruz, também muito bela e conhecida: “à tarde serás examinado no amor”. A sua última noite foi terrivelmente penosa, pois às suas horríveis dores juntou-se-lhe também a falta de ar, mas ao amanhecer Elisabete sossegou, e inclinando a cabeça abriu os olhos, e exclamou: “vou para a Luz, para o Amor, para a Vida”, e adormeceu para sempre. Era a madrugada do dia 9 de novembro de 1906.
Parece-me que no Céu
a minha missão será atrair as almas
ajudando-as a sair de si
para se unirem a Deus
por um movimento bem simples e amoroso
e a guardá-las
nesse grande silêncio interior
que permite a Deus
imprimir-se nelas
transformando-as em si
Postar um comentário